INSS não pode cobrar carência de auxílio para grávidas com alto risco

0
1521

Uma decisão liminar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) reconheceu o direito das mulheres com gravidez de alto risco a receber auxílio-doença pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), independentemente do tempo de contribuição previdenciária.

Antes disso, o órgão previdenciário vinha exigindo carência mínima de um ano para que seguradas recebam o benefício. A decisão resultou de pedido feito pela Defensoria Pública da União (DPU) por meio de ação civil pública e, por isso, é válida em todo o Brasil.

Segundo o INSS, o auxílio-doença é um benefício por incapacidade devido ao segurado que comprove, em perícia médica, estar temporariamente incapaz para o trabalho em decorrência de doença ou acidente.

Com isso, o órgão arca com os custos do afastamento do trabalhador. Sem essa garantia, muitas gestantes se viam compelidas a retornar ao trabalho em perigo para ela mesma e para o nascituro. A Defensoria vinha recebendo diversas solicitações individuais de mulheres que tinham o acesso ao benefício negado.

A decisão determina que o INSS se abstenha de exigir carência para concessão do auxílio que, com isso, deverá ser garantido pelo órgão para mulheres cuja gravidez seja clinicamente comprovada como de alto risco e haja a recomendação médica para afastamento do trabalho por mais de 15 dias consecutivos.

 

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Entre com seu nome por favor